Home

                     

Home

 

Biografia

 

Discografia

 

Fotos

 

U2 Portugal

 

Links

 

Opinião

 

Mapa do Site

 

 

 

 

 

 

"...She's the wave
She turns the tide
She sees the man inside the child
..."


     Vilar de Mouros     ZOOTV Tour     POPMART Tour


Vertigo Tour

 

A bancada poente do Alvalade XXI foi a primeira a avistá-los. Bono Vox, The Edge, Adam Clayton e Larry Mullen Jr. entraram no estádio de forma discreta, todos vestidos de negro, ao som de 'Wake Up', dos Arcade Fire, uma das bandas coqueluche do momento que os irlandeses terão já contratado para fazer a primeira parte de vários concertos no Canadá. «Children, wake up/hold your mistake up/before they turn the summer into dust/if the children don't grow up/Our bodies get bigger but our hearts get torn up» foram as palavras escolhidas pelos U2 como introdução da sua chegada, saudada de forma ensurdecedora pelos cerca de 50 mil admiradores que se acotovelavam no relvado e nas bancadas. Como realeza que são, os músicos começaram por cumprimentar os súbditos, naquele que foi o primeiro momento arrepiante da noite. Por muitas vezes que o façam, nunca deverá deixar de ser emocionante estar perante uma gigantesca plateia ao rubro, com a luz ainda acesa. Só se fez escuridão, de resto, após a esperada contagem crescente: «Uno, dos, tres... catorze!». Com 'Vertigo', fez-se também uma grande festa - as palavras de Bono são tragadas e regurgitadas, com todos a quererem provar a sua fidelidade à banda e a música a revelar-se um verdadeiro rolo compressor, suficientemente forte para fazer tremer o chão do estádio e augurar o melhor para o concerto. Até metade da actuação, este foi um espectáculo visualmente discreto, com a atenção focada essencialmente nos músicos e nas suas interpretações, na força das canções mais do que nas imagens. E há qualquer coisa de tocante em ver que músicas como 'I Will Follow', a segunda da noite, ou a fabulosa 'New Year's Day' são fruto quase exclusivo do trabalho de quatro homens, os mesmos que há 20 e tal anos se reuniram em Dublin e hoje oferecem o seu melhor a uma plateia sedenta da sua obra. Outra das constantes da primeira parte do concerto foi a forma como Bono controlou o público a seu belo prazer, correndo pela passadeira, servindo de maestro ou mesmo derrubando uma figura de cartão com a sua imagem, que um fã lhe entregou. Em entrevista a Keith Cameron, Bono confessa que, durante a Vertigo Tour, descobriu uma nova «liberdade» em palco. E os gritos que servem o final abrupto de 'I Will Follow' ou a forma como canta 'Elevation' quase a sós com o público, com a provocação da guitarra de The Edge em fundo, fazem-nos acreditar que é mesmo verdade.

O concerto dos U2 em Alvalade, dizíamos, foi um rolo compressor, mas um rolo compressor com desvios ora divertidos, ora emocionantes. Bono dirigiu-se várias vezes ao público em português, agradecendo a Jorge Sampaio a entrega da Ordem da Liberdade à sua banda (consultar fotos da cerimónia aqui) e garantindo já sentir «saudades» de Lisboa. Mostrou-se grato aos fãs por lhe permitirem ter «uma vida excelente» e dançou com uma rapariga pescada ao público. Mas, com o decorrer da noite, endureceu sorrateiramente o discurso, apelando aos portugueses para que convençam o Governo de Sócrates a juntar-se ao programa Pobreza Zero e lembrando: «It's not a problem we can't fight. We can, and since we can, we must». 

Um dos momentos mais memoráveis da noite aconteceu com 'Miss Sarajevo', que Bono (sem óculos) dedicou às vítimas dos atentados terroristas de Londres e do Egipto, e na qual convocou toda a sua força ao fazer as vezes do tenor Luciano Pavarotti, com quem gravou a música em 1995. Seguiram-se 'Pride' (In The Name of Love)', com um ataque de palmas e vozes a abafar o protagonismo de Bono, 'Where The Streets Have No Name' e 'One', numa sequência fortíssima que conduziu ao primeiro encore.

Para trás haviam ficado surpresas como uma versão semi-despida para 'I Still Haven't Found What I'm Looking For', a dedicatória ao Hospital (infantil) Dona Estefânia em 'Miracle Drug' e a convocação das religiões cristã, muçulmana e judaica numa fita branca que Bono põe na cabeça para cantar 'Love, Peace or... Else' e 'Sunday Bloody Sunday'. Aqui, Larry Mullen Jr. levou a bateria para a passadeira, tocando no meio do público, enquanto Bono salta eufórico, rejuvenescido, depois de, em 'Sometimes You Can't Make It On Your Own', dedicada ao seu malogrado pai, se ter mostrado ao público pela segunda vez na noite sem óculos escuros e num grande plano enrugado, a preto e branco, exibido pelos ecrãs gigantes.

O uso desta tecnologia foi, de resto, bem menos espalhafatoso do que em digressões anteriores, tendo-se acentuado na segunda metade do espectáculo, como complemento das mensagens progressivamente políticas e sérias - após 'Miss Sarajevo', serviu para a leitura da Declaração Universal dos Direitos do Homem, em 'One' mostrou um número para que os interessados em levar a «justiça» a África contribuíssem com um euro, custo de um sms. No resto do concerto, os efeitos especiais foram pouco além de um jogo de luzes bonito e eficaz, e de vários ecrãs que dividiam os U2 em dois: Bono e Clayton para um lado, The Edge e Larry Mullen Jr. para o outro.

Talvez devido à proximidade do adeus, os dois encores com que os U2 brindaram o público foram mais mornos que o resto do espectáculo. 'Zoo Station' e 'The Fly' causaram poucas ondas, 'All Because of You', 'Yahweh' e '40' embalaram os foliões no caminho para casa. Para a história fica a recordação de um concerto poderoso, em que músicas de anos e mesmo décadas distantes soaram irmãs, graças ao tratamento uniformemente épico e caprichado a que a banda as sujeitou. Mas também a memória de um Bono cada vez mais homem político, e a imagem nítida de um quarteto coeso e unido por laços tão ou mais fortes que a música. Parece que a decisão de marcar para Lisboa «a festa de final de digressão», como Bono lhe chamou, foi acertada.

Para a história fica o seguinte alinhamento:

  • Vertigo

  • I Will Follow

  • The Electric Co./Bullet With The Butterfly Wings (snippet)

  • Elevation

  • New Year´s Day

  • Beautiful Day/Here Comes The Sun (snippet)

  • I Still Haven't Found What I'm Looking For

  • City Of Blinding Lights

  • Miracle Drug

  • Sometimes You Can't Make It On Your Own

  • Love And Peace Or Else

  • Sunday Bloody Sunday

  • Bullet The Blue Sky/Johnny Comes Marching Home (snippet)/Please (snippet)/The Hands That Built America (snippet)

  • Miss Sarajevo

  • Pride (In The Name Of Love)

  • Where The Streets Have No Name

  • One

  • Zoo Station

  • The Fly

  • With Or Without You

  • All Because Of You

  • Yahweh

  • '40'

Os seguintes vídeos:

E as seguintes fotos:

î1í 2 3 4 5  îî   î


Vertigo Tour     Vertigo Tour     Vertigo Tour     Vertigo Tour     Vertigo Tour

Vertigo Tour     Vertigo Tour     Vertigo Tour

Vertigo Tour     Vertigo Tour     Vertigo Tour     Vertigo Tour     Vertigo Tour


î1í 2 3 4 5  îî   î

 

Topo Topo

 

Site elaborado por Sílvia Santos | Contacto 9020023@eseig.ipp.pt | Optimizado para Internet Explorer 6 e resolução 1024x768 | Última actualização: 26-08-2005